CARTA AO MEU AMOR

Minha querida!
és muito mis ainda: és minha vida!

Escrevo, meu Amor, com os olhos rasos d’água...
Um dia sem te ver – é um dia só de mágoa!
Contemplo a noite negra, enquanto cai a chuva,
em lágrimas sutis, sobre a cidade quieta.
A saudade de ti meu coração enviúva...
Só não sofrera assim, se eu não fora um poeta
e não achasse a vida insípida e sem cor,
quando não a ilumina um grande e eterno amor!
Um amor como o teu – renúncia, enlevo e sonho –
diante de cujo altar a alma aberta deponho,
como um lírio ante um deus, em sinal de louvor.
Amor que transfigura e encanta, meu Amor!

— Amanhã me verás? recordo a frase tua,
na hora da despedida, à tarde, em meio à rua.
E penso que esta frase, em teu lábio divino,
mudava, àquele instante, o curso do destino...

E como comecei, cheio de imensa mágoa,
termino, meu Amor, com os olhos cheios d’água...