OS PRESENTES DE PAPÁ NOEL

O primeiro Natal de minha vida
de enamorado e poeta – foi tão lindo!
Na adolescência lírica e florida
rosas de toda cor se vão abrindo...
Nossos olhos se encontram... Num momento,
tudo tem, para nós, outro fulgor!
Traz-me Papá Noel, com sentimento,
um presente divino: o teu Amor.

A vida passa... Mais um ano. E vamos
outro rico Natal viver agora.
Há cantigas românticas nos ramos
e rosas cor-de-rosa estrada em fora...
Pelo teu braço, deslumbrado, eu sigo:
é o par mais invejado da cidade!
E então Papá Noel, velhinho amigo,
dá-me o presente da Felicidade!

Natal! Natal! Ouço cantar os sinos
na manhã toda rica de esplendores.
E prendem-se, afinal, nossos destinos,
como dois astros, como duas flores.
Contemplam-me os teus olhos, docemente,
num êxtase profano de desejo.
Papá Noel vem rindo... Que presente!
É o presente sonoro do teu beijo!

– Adeus, meu poeta. – Meu amor, adeus.
Partes. Nosso Natal vai ser bem triste!
Choram mais os teus olhos do que os meus...
Mas, a esta ausência, qual de nós resiste?
Que angústia eu sinto! E o céu azul e brando
é indiferente à mágoa que me invade.
Papá Noel agora vem chorando...
Traz o triste presente da Saudade