QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Quarta-feira de cinzas longa e fria!
Um velho aroma todo o parque invade,
evocando a aventura e a fantasia...
Quarta-feira de cinzas da saudade!

Ah! Colombina frívola e vadia,
eu penso em ti, nesta intranqüilidade!
Cinzas... Recordação... Melancolia...
Eis o que resta da Felicidade!

Gemem, humanamente, os arvoredos.
Choram meus olhos, cheios de cansaços,
a ausência de teus lábios e teus dedos...

Vem matar, Colombina, os meus desejos,
na serpentina branca dos teus braços,
entre o rubro confete dos teus beijos!
.