LAGAMAR

Homens pescam siris nas águas turvas.
Na água suja
mulheres tristes, lavando roupa, cantam.
Meninos pálidos e alegres
banham se, aos pinotes, na água escura.
Porcos e jumentos bebem, juntos,
da água imunda
empoçada no mangue.
E todos confraternizam
na podridão do pântano
— indefectível e trágico
como um escarro de sangue.