LOUVAÇÃO A PORTUGAL

Quando o mar versos me inspira
com a sua imensa tristeza,
soluça na minha lira
a saudade portuguesa...

Veio naus de velas pandas
por sobre as ondas bravias
que trazem das outras bandas
saudades e nostalgias.

Vejo antigos marinheiros,
homens de rudes feições,
que desfilam, sobranceiros,
na epopéia de Camões.

Heróis soberbos! gigantes
que, no mar, fazem milagres.
— São pilotos e almirantes
da velha Escola de Sagres.

Portugal! que magnetismo
irradia a tua história:
num poema de heroísmo
uma legenda de glória!

E sobe da voz do oceano
um louvor alto e profundo
ao grande povo que, ufano,
mundos novos deu ao mundo.