MURAL

Na velha habitação coletiva
os olhos dos inquilinos
brilham, em todas as janelas,
como em vitrina.

Na rua, fora, a rica cidade freme e corre.

Acordado, o monstro de cem olhos
vigia no ventre de outro monstro.

Quem tiver ouvidos de ouvir
poderá escutar a respiração de tantas almas opressas
pisadas pelo mundo.