PARA ONDE VÃO OS CADÁVERES

Vejo as misérias do mundo
dentro deste vidro mágico.

Passam multidões cativas.
— É a procissão dos cadáveres
que em si mesmos têm seus túmulos:
mortos por dentro e por fora,
mortos no corpo e no espírito,
de uma feia e triste morte,
que não é porta da Vida.

Ninguém fala nem protesta
no silêncio marcial.
A todos — a consciência
o dragão rasgou com os dentes
no seu repasto total.

Os cadáveres desfilam.
E, procissionalmente,
no silêncio oficial,
vão seguindo,
vão levados
para ... para o não sei onde.

Para onde vão os cadáveres?