ESTUDO No. 2

Um poema não se escreve sem palavras,
mas, sem palavras, um poema vive,
como, sem forma ainda, um ser humano
no mistério genético da espécie...

Vive e arrebata o espírito e os sentidos,
corre no sangue, pelos nervos passa,
fluido magnético, vibração anímica,
raio de um sol perdido no infinito...

É a vida embrionária do poema.
Depois a forma vem para vesti-lo:
e o verbo se humaniza e se faz carne.

Como nasce uma criança nasce o poema.
Da inspiração do poeta ei-lo que irrompe
- para um claro destino ou sorte escura...