SONETO PÓSTUMO

Se o coração parasse de repente,
marcando o fim desta existência inglória,
apenas uma sombra merencória
recordara um poeta de alma ardente.

Uma sombra sem cor, sombra somente...
Eis tudo a registrar daquela história,
que não teve esplendor nem teve glória:
foi a história comum de toda a gente.

E os homens cada vez mais apressados
ouvidos não tiveram, deslumbrados,
para o verso final do pobre Orfeu.

Só as estrelas, que ele amara tanto,
entoaram pelo céu um alto canto
em louvor do poeta que morreu.