ASAS DA LIBERDADE

Gloriosa RAF,
que dominas o céu do mundo inteiro,
seguindo o fúlgido roteiro
desta cruzada de Libertação,
- milhões de almas acompanham,
em contínua vibração,
o vôo de águias dos teus aviões,
os remígios de condor das tuas máquinas,
as revoadas homéricas dos teus pássaros indômitos
- páginas soltas, páginas voláteis
do Evangelho de luz da Civilização!

Ouando por sobre Londres - a Invencível -
os monstros infernais do déspota maldito
lançavam chamas, vomitavam lavas
- como vulcões abertos no infinito -,
foram os teus aviões libertadores
- tão poucos contra tantos! -
que, em face de tamanha iniqüidade,
transpuseram o espaço, num segundo,
e assim salvaram toda a humanidade,
pois a Inglaterra foi, naquele instante,
a mais heróica síntese do mundo...

E subiste tão alto e tão alto pairaste,
na tua sede de infinito e sol,
na tua ânsia de luz e liberdade,
protegendo o destino das nações,
que, ao ruído redentor dos teus motores,
se voltam para ti os corações
e te enviam - na música de um beijo
ou nas asas translúcidas de um verso,
as mensagens de amor e os votos de triunfo
de todos os recantos do Universo...

São corações de mães, de esposas e de filhas,
transbordantes de lágrimas e dor...
São magoados corações de noivas
que não se cansam de bater de amor...
São corações de minha Pátria livre e forte,
que enfrenta a vida como enfrenta a morte...
São corações criados à sombra do Cruzeiro
e onde canta e referve o sangue brasileiro...
São corações em cujo íntimo passa,
em ondas de heroísmo, o valor desta Raça.

Porque, ó RAF gloriosa e invicta,
nas hélices velozes
dos teus aviões democráticos,
a alma de Santos Dumont está vibrando,
trepidante, liberta, varonil,
- e é como se levassem, dentro deles,
a alma do Brasil!