A ENCHENTE

Era a casa de tijolo, à beira do rio,
a melhor do lugar.

               Na noite preta como o cão
               as águas do rio incharam,
                     cresceram,
                     inundaram tudo
               e continuaram inchando
                     e crescendo sem parar...

A casa ficou perdida no meio do rio
como um navio no alto-mar.
Pequeninas e pálidas estrelas
cobriram o rosto com o lenço das nuvens,
                 com medo de olhar...

               - Eh! canoeiro! socorro!
               - Se a enchente continuar como vai,
               daqui para o dia amanhecer
               a casa cai!

E a voz aflita e lúgubre gemia
no silêncio da noite de agonia.

               - Socorro, canoeiro!
               - Só a canoa "lracema"
               Poderá atravessar.
               Uma canoa pequena
               ainda é pior: pode virar.

...............................................
               - Socorro, canoeiro,
               - Eh! canoeiro, socorro, socorro!

Chuá. . . chuá. . . chuá...
Os remos atassalham o dorso do rio,
e a canoa, que ginga e se embalança,
rasga as águas,
corta o vento,
rompe a treva,
fura a noite
- e avança!

               Da casa que o rio sitiou
               parte um grito de alegria que vale um poema!
                     - É a canoa "lracema"!
                     - É a canoa "lracema"!

- Afinal, estamos salvos,
por causa de nossa fé.
Viva Nosso Senhor Jesus Cristo!
E viva Nossa Senhora,
Santa Bárbara, São Jerônimo,
São Francisco de Canindé!

               Agora, de volta à terra,
               conduzindo os que salvou da enchente,
               a canoa, que ginga e se embalança,
                     corta o vento,
                     rasga as águas,
                     rompe a treva,
                     fura a noite
                     - e avança!
                     E avança!