ODE AOS JANGADEIROS CEARENSES

Voga a jangada sobre as ondas túmidas...
É a barca de São Pedro, que conduz,
no bravo peito de seus tripulantes,
a legenda imortal: Terra da Luz.

            Águas e céus lêem somente agora.
            Uivos, imprecações, brados, rugidos:
            - é a música da noite que desaba.
            Não sabem mais onde começa a terra,
            não sabem mais onde o oceano acaba...

Novos Ulisses, enfrentando as vagas
dos mares que Homero não cantou,
vão, na jangada intrépida e veloz,
mostrar à rica e excelsa Guanabara
a coragem, a fibra, a resistência
desta raça que em bronze o Sol forjou,
desta raça, de mártires e heróis,
que enche os céus do Brasil, os céus da América,
de estrelas, de relâmpagos, de sóis!